A primeira vez,

Pela minha vasta experiencia com situações e momentos constrangedores, eu intendo mais ou menos sobre algumas coisas da vida, entre as coisas que eu intendo estão as primeiras vezes (ou primeira vez). Bom este sera um Gueste Post que eu estarei fazendo aqui no blog sobre a primeira vez, então vamos ao primeiro:

Como um bobo romântico, eu acredito que todos já se apaixonaram ou querem (pretendem) se apaixonar. Comigo não podia ser diferente. Mas quando se acha que esta apaixonado, não basta apenas sentir esta paixão, você acredita que precisa expressá-la de alguma maneira, seja esta falada, escrita, em pinturas ou de alguma outra maneira.

Eu escolhi falar para a garota que eu a amava, e bem eu tentei fazer isto duas vezes e por incrível que pareça a palavra não saiu, e bem eu acho que ela não percebeu que eu estava tentando falar alguma coisa, o que foi bom porque eu não gostaria que ela pensasse que eu sou ainda mais estranho do que pareço.

Que eu tenho dificuldade para expressar meus sentimentos não é segredo para ninguém (eu acho), pelo menos não é segredo para mim mesmo, eu admito que tenho alguma dificuldade para expressar o que eu sinto ou o que eu penso. E bom, tendo consciência de que eu não conseguiria falar o que eu sinto para a minha garotinha, eu resolvi procurar ajuda nas dificuldades das outras pessoas, ou seja, eu comecei a perguntar indiretamente sobre coisas relacionadas com sentimentos e demonstração de amor, afeto ou paixão para as pessoas. As respostas que eu recebi foram as mais diversas, afinal cada um pensa de uma maneira. Mas pensando um pouco sobre as respostas que eu recebi, eu percebi que as mulheres, garotas e meninas sabem a melhor forma de expressar o que sentem, elas falam.

Por ser uma maneira simples e fácil, eu resolvi que esta seria a maneira que eu falaria para a minha “amada” que eu estava apaixonado por ela. Levando em consideração que eu tenho dificuldade de expressar o que sinto e que por duas fezes eu já tinha tentado dizer mas na hora H não saiu nada, eu resolvi que a melhor maneira seria de ir direto ao ponto sem ficar enrolando muito. E bem foi o que eu fiz, como não foi uma coisa muito agradável eu vou contar de uma forma sem muitos detalhas de como foi o “momento” do meu primeiro “Eu Te Amo”.

Era verão, estava um sol “lindo” (eu não gosto de sol), brilhando lá fora e as duas famílias estavam reunidas (a minha família e a dela). Apesar de nos dois já estarmos ficando a algum tempo e todos já estarem sabendo que estávamos ficando, ainda era necessário que o primeiro beijo fosse dado escondido, então a minha prima (que também é prima dela) foi me convidar para “jogar baralho”, era mais do que obvio para todos que eu não ia apenas jogar baralho e quem sabe eu nem fosse jogar baralho, mas para manter as aparências eu segui minha prima para dentro da casa e enfim para dentro do quarto em que Ela (a garota que me fizera sentir como se eu estivesse apaixonado) estava.

Bem eu já comecei a achar estranho a hora que eu cheguei no quarto, ela estava deitada e apesar de eu achar que ela iria ficar feliz por me ver já que estávamos a um certo tempo sem nos ver, não foi isto que aconteceu. Quando Ela me viu ela permaneceu deitada na cama, como se não fizesse dez minutos que nós tínhamos nos vido. Eu resolvi não dar bola para aquela reação dela e como já fazia mais ou menos um minuto que eu tinha chegado no quarto e aquele silencio chato e constrangedor tinha tomando o ambiente, eu preferi me sentar e “tentar” quebrar o silencio que tanto me incomodava.

Com a desculpa de ir procurar o baralho, minha prima nos deixou a sós, e eu imaginei que enfim sozinhos ela fosse expressar algum sinal de felicidade, já que eu acredito que ela seja tímida. Mas para minha tristeza, não foi isto que aconteceu, ela permaneceu em silencio e nos trocamos umas poucas frases sobre como tinha sido a viagem dela e coisas sem sentido. Até o momentos que eu tomei coragem suficiente para dizer

  • Eu te amo – Da primeira vez minha voz saiu um pouco rouca e baixinha e como ela não disse nada e pareceu não ter ouvido, eu resolvi falar de novo.

Tremendo como uma vara verde, suando frio, eu disse de novo. Mas desta fez eu tive a certeza que ela ouviria.

As palavras que ela disse em seguida estão ecoando na minha mente até hoje, e bem são um tanto desagradáveis.

  • Olha eu achava que eu gostava de você, mas no tempo que nós ficamos longe um do outro eu conheci outra pessoa – ela disse, com a voz mais natural possível, e isto me destruiu.

O meu tremor parou, o meu suor também parou, meus pensamentos ficaram incontroláveis, eu perdi qualquer senso de logica que eu ainda tinha e bem fiquei sem saber o que fazer. Lembro de ter feito algumas perguntas que eu já sabia a resposta e fiquei em silencio novamente tentando processar na minha mente o que tinha acontecido.

  • bom eu acho melhor você ir agora, eu vou depois – estas foram as ultimas palavras que ela me disse, estão são as ultimas palavras que eu precisava ouvir naquele dia.

Sem dizer nada eu fiquei em pé, abria a porta do quarto e sai. Tentei parecer o mais normal possível, afinal todos sabiam que eu queria ver ela porque TODOS sabiam que eu gostava dela.

O resto do dia passou como que sendo arrastado, eu tentei parecer normal, fomos todos a praia e eu lembro de ter falado muita coisa sem sentido que em um dia normal eu não falaria, mas bem, até o momento em que eu fui deitar em minha cama no mesmo dia, eu ainda tentava intender o que tinha acontecido.

No outro dia ao abrir a minha pagina do Orkut eu li a seguinte frase postada por uma amiga de minha mãe.

“Na vida existem erros e verdades. Dizer que ti amo pode ter sido meu maior erro, mas foi minha maior verdade”

Naquele momento aquela frase dizia tudo o que precisava ser dito.

E bem acho que este foi meu primeiro eu te amo, e desde então eu pretendo não dizer isto a mais ninguém, pelo menos não antes de ouvir a outra pessoa dizendo primeiro.